NASA: Existe vida em Marte, mas as pessoas não estão prontas para descobrir?

Imagem
  Durante muito tempo, foram reveladas diferentes teorias que sugerem que, em algum momento da história, existiu vida em Marte.  Outros ainda vão mais longe alegando que ainda existe.  Mas... O que acontece quando quem alega que não só existe, mas que as pessoas não estão preparadas para conhecê-lo, é a NASA? Jim Green  , diretor de ciência da NASA, fez algumas declarações  bastante controversas  nos últimos dias.  Estes estão relacionados a  Marte  e à possível existência de vida no planeta vermelho. Dessa forma, confirma-se a possibilidade de que o que antes era considerado uma hipótese, mesmo minimizando-a como simples ficção científica, seja algo  muito mais real  do que se acredita. Vida em Marte: a NASA confirma isso? O diretor científico da NASA, Jim Green, deu algumas declarações recentemente que causaram muita polêmica. O especialista acredita que é mais provável que a Agência Espacial Europeia já tenha descoberto evidências de  vida extraterrestre  em Marte há alguns meses. N

Pai William Gill Avistamentos De OVNIs Em Papua Nova Guiné, 1959

 

1959 Talvez na experiência OVNI mais bem documentada e celebrada de todos os tempos, o missionário australiano Padre William Booth Gill e toda a equipe e clientes de uma missão anglicana em Boianai, na ex-colônia australiana de Papua-Niugini (Papua-Nova Guiné), avistou um objeto em forma de disco aéreo e trocou ondas com quatro passageiros a bordo. Os 'encontros imediatos' continuaram nos dois dias seguintes.

A HISTÓRIA

Papua Nova Guiné foi uma colmeia de avistamentos de OVNIs durante os anos de 1958-1959. Ao longo desses dois anos, houve mais de sessenta avistamentos de OVNIs, com a maioria deles na região do Monte Pudi.

Padre William Gill

                  

O primeiro avistamento do Padre William Gill aconteceria no dia 5 de abril de 1959, quando ele percebeu que havia uma luz muito brilhante e rápida viajando pela área do Monte Pudi, que era uma montanha habitada. Não pensando muito nisso, o padre Gill voltou à sua rotina normal.

Só cerca de um mês depois, quando seu assistente, Stephen Moi, afirmou ter testemunhado um objeto em forma de disco voador sobre os céus do missionário. Sendo tão cético, o padre Gill ainda rejeitou os incidentes e culpou-os de fenômenos atmosféricos ou elétricos no céu.

Logo, entretanto, outros eventos aconteceriam que fariam o Padre Gill questionar seu ceticismo e admitir que ele havia testemunhado um avistamento de OVNIs. Foi no dia 26 de junho que ocorreu outro incidente.

Eram aproximadamente seis e quarenta e cinco da tarde, quando o padre Gill notou novamente uma luz brilhante no céu a noroeste da aldeia. Logo, a notícia se espalhou por toda a pequena comunidade e muitos outros se juntaram ao padre Gill e estavam observando a luz no céu.

                        

Ao todo, seriam trinta e oito pessoas que poderiam explicar o que foi visto naquela ocasião.

Estes incluiriam, Stephen Moi, Ananias Rarata e Sra. Nessle Moi. Mais tarde, as testemunhas descreveriam como, à medida que a luz ficava um pouco mais próxima, eles puderam perceber que tinha aproximadamente o tamanho de cinco luas cheias alinhadas uma contra a outra. Tinha a forma de um disco, com uma superestrutura menor e redonda no topo, como a ponte de um barco. Por baixo tinha quatro patas que se achavam aos pares e desciam em diagonal.

Todas as testemunhas que se reuniram continuaram a observar a nave enquanto ela pairava em completo silêncio. Eles ficaram todos chocados e surpresos ao ver quatro figuras em forma de humanoide na parte superior da nave.

Todos disseram que parecia que essas figuras realizavam trabalhos a bordo da embarcação e se moviam como se estivessem realizando tarefas, dobrando-se e esticando-se para dentro da embarcação.

         

Um deles desaparecia e voltava à vista. Havia também uma luz azul que brilhava da nave em intervalos regulares.

Esse espetáculo duraria cerca de quarenta e cinco minutos até cerca das sete e meia, quando subiu mais alto no céu, tornando-se obscurecido pelas nuvens e então desaparecendo de vista.

Uma hora depois, às oito e meia, vários objetos menores voltaram aos céus durante a missão. Mais vinte minutos depois, o objeto maior do início da noite voltou.

Esta nova sequência de eventos continuaria por mais quatro horas, então por volta das dez e cinquenta daquela noite as nuvens começaram a ficar mais espessas e obscureceram a nave e as menores e ficaram completamente fora de vista. Naquela noite, o padre Gill escreveu um relato de tudo o que ele e as pessoas da aldeia haviam testemunhado e vinte e cinco deles assinaram.

INTERAÇÃO ENTRE TESTEMUNHAS E ENTIDADES

Aquele avistamento noturno não foi o único que ocorreu sobre a aldeia. Na noite seguinte, por volta das seis horas, várias naves menores apareceram junto com a maior que estivera lá na noite anterior.

Enquanto a nave pairava, novamente silenciosamente, cerca de trezentos a quatrocentos metros de distância, os seres eram novamente visíveis na parte superior da nave. Em seguida, apareceu como se um dos seres fosse emprestado por uma espécie de grade e olhou para as pessoas no chão.

Ao ver isso, o padre Gill acenou para eles e para sua total surpresa, o ser acenou de volta. Padre Gill diria mais tarde que era como um capitão em um barco acenando de volta para alguém que estava no cais.

Ananias então acenou para os seres usando suas duas mãos e novamente os seres fizeram o mesmo de volta para eles. Essa agitação entre os dois continuou por um tempo. Eric Kodawara então acenou uma tocha na direção da nave e como se em reconhecimento a eles, a nave entrou em um movimento como um pêndulo oscilante.

Ele então apontou a tocha para o chão, para ver se ele poderia encorajar a nave a pousar no chão, mas a nave não reagiu a isso. Ao longo de todo o encontro, muitos indígenas da aldeia gesticulavam para que a embarcação pousasse, mas não obtiveram resposta.

As crianças da aldeia também ficaram emocionadas com os acontecimentos e gritaram com a embarcação. O padre Gill disse então que ele entrou e comeu um pouco e quando voltou algum tempo depois, a embarcação ainda estava lá, mas havia subido mais longe.

A aldeia continuou depois disso com sua rotina normal e teve seu serviço religioso noturno. Às sete e quarenta e cinco, quando eles saíram do prédio, a nave havia sumido de vista.

Às onze e meia daquela noite, enquanto a maior parte da comunidade estava na missão, um estrondo foi ouvido no telhado. O grupo correu para fora e viu quatro das embarcações no alto do céu. Na manhã seguinte, o telhado da missão foi verificado, mas não houve danos evidentes.

INVESTIGAÇÃO

Em 24 de novembro de 1959, no parlamento federal ED Cash, um membro liberal da Austrália Ocidental, perguntou ao Ministro do Ar, FM Osborne, se seu departamento (especificamente a Inteligência da Força Aérea) havia investigado os relatórios.

A resposta do ministro não abordou esta questão, mas ao invés disso focou na situação geral, indicando que a maioria dos avistamentos de OVNIs foram explicados e 'que apenas uma porcentagem muito pequena, algo como 3 por cento dos avistamentos relatados de objetos voadores não podem ser explicados'.

Um representante de um grupo de OVNIs foi avisado pela Diretoria de Inteligência da Força Aérea de que o Departamento estava aguardando 'evidências profundas' sobre os avistamentos na Nova Guiné.

Finalmente, o Ministro da Defesa solicitou um relatório e a RAAF entrevistou Gill em 29 de dezembro de 1959, cerca de seis meses após o avistamento. A lembrança de Gill sobre a visita é que os dois oficiais de Canberra falaram sobre estrelas e planetas e depois partiram. Ele não ouviu mais nada deles.

(Fonte)

VISITE NOSSAS PÁGINAS :bit.ly/FronteiraX


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reptiliano na TV nacional? A "transformação" ao vivo de um general

O Denunciante Phil Schneider É Encontrado Morto Após Revelar A Agenda Alienígena